• Ana Paula Ostapenko

João Rosa convida Gabeu em seu novo single "Tô torcendo pra ser Dengue"


O single faz parte de um projeto de 4 músicas que teve como primeiro lançamento a música “Amar Sem Sentir Culpa”. Segundo João Rosa, 24, a proposta é retratar a sua vivência dentro do mundo LGBT+. De forma mais descontraída a "Tô torcendo pra ser dengue” mostra uma paquera, uma situação contada a um amigo.

Para esse single, foi convidado Gabeu, filho do renomado sertanejo Solimões, e um dos fundadores do movimento de LGBTs no sertanejo chamado Queernejo. Seus singles "Amor Rural" e "Sugar Daddy" possuem juntos quase 2M de views no Youtube. Gabeu também é organizador do Fivela Fest, festival sertanejo voltado ao público LGBT que concorreu ao SIM São Paulo como projeto do ano, e é ganhador do prêmio músico do ano no "Poc Awards" organizado pelo Gay Blog BR.





Poc e pagodeiro, João Rosa compõe suas as próprias músicas. Para ele, reunir a vivência de um LGBT+ nas letras de pagode e samba trata-se de expressar sua identidade: “eu me sinto mais confortável em desenvolver meu trabalho dentro desse universo, porque acho que o samba e o pagode são os estilos que eu mais escuto e tenho mais referência. No entanto, como a nossa vivência é pouco abordada, isso abre espaço para as LGBTs que, como eu, sempre amaram o estilo, mas não se sentiam representadas nas letras das canções.

“O relacionamento LGBT é como qualquer outro: tem desentendimentos, inseguranças, carinho e amor. E a ideia é justamente abordar essas questões nas minhas músicas, mostrando as dores e as delícias de ser LGBT+ de diferentes formas”, aponta o cantor.

O talento musical vem de família, afinal, o pagodeiro é irmão do Karan Cavallero, um dos integrantes da banda Atitude 67, do grande sucesso “Cerveja de Garrafa”. João Rosa, que aprendeu a tocar cavaquinho aos 14 anos, conta que desde cedo já respirava música, com os ensaios que aconteciam na garagem de sua casa.

O pagodeiro é campo-grandense e com 16 anos já se apresentava nas casas de shows da cidade. Mas sua carreira foi interrompida após se mudar para São Paulo, onde estudou Ciências Sociais e onde, hoje, faz mestrado em sociologia.

O retorno ao cenário musical surgiu no fim de 2019, quando o artista integrou uma roda de samba aberta e inclusiva voltado às LGBTS. Com a quarentena, ele retornou à sua cidade natal, onde teve a ideia de apostar na carreira artística.

Seus primeiros singles “Amar Sem Sentir Culpa” e "Tô Correndo de Briga", somados, já contam com mais de 50 mil streams no Spotify e mais de 30 mil visualizações no Youtube. Ambos exaltam a diversidade, trazendo o afeto LGBT, suas dores e sua vivência. ‘Poc pagodeira’, como se define nas redes sociais, João Rosa divulga seu trabalho e também canta músicas do universo LGBT em ritmo de pagode.

3 visualizações0 comentário