• Ana Paula Ostapenko

Som da Concha deste domingo terá a diversidade da música com Projeto Kzulo e o jazz da banda Urbem


O Som da Concha deste domingo, 31 de outubro de 2021, traz ao palco a diversidade da música Colombo-Brasileira com Projeto Kzulo, às 18horas, e o jazz inovador da banda Urbem, às 19 horas. Projeto criado em 2008 pela Fundação de Cultura de MS, o Som da Concha leva shows quinzenalmente aos finais de semana na Concha Acústica Helena Meirelles, que fica no Parque das Nações Indígenas. A iniciativa valoriza e difunde a produção musical sul-mato-grossense. A entrada é franca.

Projeto Kzulo é uma banda de música Colombo-Brasileira radicada em Campo Grande, que trabalha o conceito ‘Cúmbia pantaneira’ dentro do circuito do World Music. As músicas convidam a uma viagem de transformação e de mistura entre os ritmos musicais de origem afro-colombianos do litoral do Caribe e os ritmos de origem afro-brasileiros do Brasil, fusionando-os com as experiências pessoais e contemporâneas dos integrantes.

Para o Som da Concha, o Projeto Kzulo apresenta o show inédito ‘Kzulo na Concha’: um acontecimento musical e cultural de mistura e transformação latino-americana. O show apresenta músicas autorais em portuñhol que prometem uma experiência enriquecedora. O show convida à reflexão sobre a natureza, o meio ambiente, a filosofia, as expressões da alma, os carnavais e a própria cotidianidade. O modo para atingir essa transformação é a inclusão nas músicas de ritmos como côco, baião, champeta, macatú, salsa, cumbia, samba e samba reggae, e, ao mesmo tempo, letras críticas e conceituais vindas de debates e de composições autorais dos membros da banda, que mostram uma pluralidade de expressões e sentimentos.

O show traz de inovação a incorporação de instrumentos próprios da tradição e cultura colombiana como as gaitas colombianas e, entre as músicas do show, as faixas “Gaia”, “Segura esse Bloco”, “Marinheiro”, “Sorriso”, “Canal de Luz” e “El Pescador” pertencem ao EP ‘Braslumbia’, que serão lançados em breve nas plataformas digitais de streaming. As músicas do show servem como fio condutor para evidenciar as raízes rítmicas e musicais que acompanham a produção da música em Campo Grande e mostrar o capital humano dos sujeitos que vivem esta cidade.

Durante a pandemia, o Projeto Kzulo participou do Festival Mba’e Pora, Festival Curarte, Festival Flor dos Andes, Projeto Kombinado, assim como da produção do clipe audiovisual do single ‘Herdeiros de Raça’ divulgado no Youtube e realizado pelo SESC Convida. Produziu ainda o show ‘Kzulo em casa’, com apoio da Lei Aldir Blanc.

Urbem

Urbem é um quarteto cujos pés estão em solo brasileiro e os braços espalhados pelo mundo. Sua música é recheada com ingredientes de várias etnias, direcionando a música para algo autêntico no jazz. Urbem é uma mistura de influências, o resultado é uma sonoridade inovadora no mundo da música. Duas mulheres e dois homens somando um mundo musical contemporâneo.

Em 2015, a música “Painel” rendeu-lhes o título do Samsung E – Festival Internacional de melhor banda instrumental do Brasil. “Suas composições criativas, com a voz singular de Bianca Bacha, que também toca violão, o incrível baterista Sandro Moreno, o preciso Gabriel Basso no baixo e a pianista talentosa Ana Ferreira, fazem deles uma banda de jazz fresca verdadeiramente única”, afirmou na ocasião Ruriá Duprat, vencedor de um Grammy pelo Melhor Álbum de Jazz Contemporâneo.

Em 2016, a Urbem foi selecionada por meio de uma plataforma de julgamento cego e democrática, a ANONYMUZE.com e com a escolha fecharam contrato com o label italiano Odradek Records, o que significa que este catálogo é baseado exclusivamente em excelente musicalidade e não em imagem, publicidade ou histórico. “É uma honra para nós termos recebido essa avaliação através de um processo meritocrático que procura por relevância cultural e talentos reais em todo o mundo, e em especial compartilhar o mesmo selo do lendário baixista GaryPeacock”, destacou Sandro Moreno, baterista do Urbem.

O primeiro álbum da banda, "LivingRoom", foi gravado na Itália (2016). Embora Urbem seja relativamente jovem (2013), cada um dos músicos tem um histórico interessante que abrange anos de dedicação à música. O baterista Sandro Moreno já gravou mais de 200 álbuns e tocou no Brasil e na Europa com músicos como Jorge Drexler (vencedor do Oscar), Dani Black (indicado ao Grammy), Guy King (Chicago), Tetê Espíndola, Zé Ramalho dentre outros grandes nomes da música. Ele também ganhou o BatukaMusicFest em 2001, a maior competição de bateristas na América do Sul. Urbem ao longo da carreira recebeu maravilhosos convites e visitas integradas de mestres da música brasileira, como Yamandú Costa e o lendário pianista Wagner Tiso (Milton Nascimento). Em 2017, inaugurou a etapa do pôr do sol no Festival da América do Sul e tocou no Fara Music Festival (Itália), TheSpheres (Itália), 28 Divino (Itália) e Música do Mundo (Portugal). Agora a banda está com o show Espiral, que mistura músicas autorais com algumas canções icônicas da música popular brasileira.

Serviço – Devido à pandemia do Covid-19, a edição 2020 do projeto acontece de forma híbrida, com transmissão ao vivo pelo www.youtube.com/fundacaodeculturamsoficial e pelo Facebook da Fundação de Cultura de MS.

0 visualização0 comentário