• Ana Paula Ostapenko

Upcycling e a vida nova a roupas que iriam para o lixo ou doações, conheça a Feito de Vestido


Você conhece o movimento upcycling? O upcycling consiste, basicamente, em dar um novo propósito a materiais que seriam descartados, com criatividade e qualidade igual ou até melhor que a do produto original.


O termo foi cunhado pelo ambientalista alemão Reine Pilz, em 1994. Em 2002, popularizou-se com a publicação do livro Cradle to cradle: rethinking the way we make things (no Brasil, Cradle to cradle: criar e reciclar ilimitadamente), escrito pelo arquiteto americano William McDonough em parceria com o químico Michael Braungart. Desde então, o conceito vem se propagando e conquistando diferentes modelos de negócios, que procuram cada vez mais otimizar o ciclo de vida de seus produtos e adotar hábitos mais sustentáveis de produção.


A prática do upcycling reduz a quantidade de resíduos produzidos que passariam anos em lixões e aterros sanitários. Além disso, diminui a necessidade de exploração de matéria-prima para a geração de novos produtos. No caso do plástico, isso significa menos petróleo explorado; menos árvores derrubadas, no caso da madeira; e, no caso do metal, menos mineração.


Diante disso conhecemos a Feito de Vestido, marca da consultora Wity Prado, lançada no último dia 15, que faz o que o nome diz, literalmente, Wity pegou seus vestidos antigos e deu nova vida a eles, em novos modelos de roupas, “Sempre tive vontade de ter uma marca própria, mas deixei este sonho em segundo plano e fui buscar experiências, conhecimentos, uma melhor compreensão e confiança pra levar essa ideia adiante”.


Vestidos que não seriam mais usados se tornaram jaquetas, calças, tops, blusas e até prendedores de cabelo, o reaproveitamento total que não gera resíduos e ainda contribui para o meio ambiente e para a moda, por que as peças são lindas.


A marca é toda feita por mulheres e Wity ainda tem parceria de entregas com com a Catita Bike entregas, o que gera CO2 zero e também a República das Arteiras uma cooperativa de costureiras, ou seja foi tudo pensado para que a pegada seja totalmente sustentável de diversos pontos de vista e também contemple pequenos empreendimentos, gerando um ciclo econômico de ganha ganha.


12 visualizações0 comentário